Hospital Jayme da Fonte

Central telefônica (81) 3416-0000 / 3125-8810 Marcação de Consultas & Exames (81) 3416-0075
(seg. à sex, das 07h às 19h e sáb. das 08h às 14h)
Chegamos aos
1016
transplantes de
fígado
Data publicação: 05/10/20 | Fonte: Cotidiano

Outubro Rosa reforça alerta na pandemia

Afetados por isolamento social imposto por COVID-19, atendimentos para rastreio do câncer de mama caíram 75%. Médicos salientam importância de seguir de seguir tratamento.

Marcado pela cor rosa, o mês de outubro é utilizado para conscientizar sobre o câncer de mama e reforça a importância da realização da mamografia como forma de detectar a doença no início, o que aumenta as chances de cura. No entanto, com a pandemia de COVID-19, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) apontou após realizar um levantamento, que caíram 75% em relação ao mesmo período do ano passado.

De acordo com a mastologista Isabella Figueirêdo, do Hospital Jayme da Fonte, esse atraso no tratamento é bastante prejudicial para a paciente. “A falta de acompanhamento em casos de câncer preocupa, pois a doença pode avançar no organismo do  da paciente”, alertou Isabella. Para a especialista, além do diagnóstico precoce, o início do tratamento imediato da doença aumenta as chances de cura em até 98% conforme a SBM.

Segundo Isabela, o tratamento do câncer de mama também vai variar de acordo com as condições que a paciente apresenta. “O tratamento é multidisciplinar, envolvendo mastologia, oncologia e radioterapia. Ele pode ser composto por cirurgia e tratamento clínico, mais tudo vai depender de fatores como o estágio da doença, idade do paciente, tipo de câncer, entre outros.”

Como o câncer de mama não dá sinais e nem tem sintomas, a melhor forma de diagnosticá-lo é realizando o acompanhamento contínuo. “O câncer de mama é uma doença silenciosa quando em fase inicial, que é o momento ideal para o diagnóstico. Porém, caso esteja em um estágio mais avançado, ela pode dar alguns sinais, como nódulo palpável, alteração na pele da mama, secreções pelo mamilo transparente ou sanguinolenta, retração do mamilo, entre outras”, descreveu a profissional. Não tem muito tempo que a psicóloga Rejane Pires, 68, ao realizar exames de rotina, detectou um nódulo. “Era um nódulo muito pequeno, que só foi detectado na mamografia”, contou Rejane. “Apesar de pequeno, a minha médica achou prudente fazer a remoção antes que o nódulo evoluísse para algo mais grave, complementou.

Desde então, Rejane passou a ser acompanhada pela mastologista e realiza exames periodicamente para rastrear qualquer anormalidade. Porém, durante a pandemia, alguns exames estão atrasados. “Eu tinha exame marcado para março, mas estava cumprindo o isolamento sem sair de casa. Vou retomar com o acompanhamento agora no mês de outubro”, disse a psicóloga.

A faixa etária que deve intensificar os cuidados com o câncer de mama, de acordo com a mastologista Beatriz Maranhão, é a partir dos 40 anos. Segundo ela, a incidência é maior a partir dessa idade. “A partir dos 40 anos essa incidência aumenta, atingindo o seu pico dos 50 aos 59 anos. Porém a depender de questões genéticas ou fatores associados, a estilo de vida a doença pode acometer mulheres mais jovens, apesar de incomum”, explicou Beatriz.

Beatriz lembra que o autoexame é de extrema importância, mas não deve substituir exames de imagem, como a ultrassonografia e nem a mamografia. “O autoexame é capaz de detectar nódulos acima de 1cm, o que pode ser perigoso. Quando um nódulo é menor do que isso, dificilmente será sentido pelo toque. Por isso exames de imagem e a mamografia são essenciais para detectar nódulos pequenos, incluindo os menores de 1cm”, explicou Maranhão.