Hospital Jayme da Fonte

Central telefônica (81) 3416-0000 / 3125-8810 Marcação de Consultas & Exames (81) 3416-0075
(seg. à sex, das 07h às 19h e sáb. das 08h às 14h)
Chegamos aos
1022
transplantes de
fígado
Data publicação: 19/02/21 | Fonte: Revista Compromisso Edição Nº 14 / Ano V - Dez. 2020 - Jan/Fev 2021

Como identificar e tratar a insuficiência renal aguda e crônica

Rins funcionam como filtros do organismo e são fundamentais para o equilíbrio interno do corpo

Os rins são órgãos fundamentais para o equilíbrio interno do corpo humano. Eles são responsáveis por filtrar o sangue e eliminar o excesso de líquido e sal do corpo, além de impedir a elevação da pressão sanguínea, eliminando as toxinas por meio da urina. Por ser essencial no funcionamento do corpo, devemos estar atentos à alguns sinais que podem significar insuficiência renal.

A nefrologista Ângela Santos, do Hospital Jayme da Fonte, explica o que é a insuficiência renal e quais os riscos do problema. “É a condição na qual os rins perdem a capacidade de efetuar suas funções básicas, entre elas a de filtrar o sangue para eliminar substâncias decorrentes do metabolismo nocivas ao organismo. Quando a doença se estabelece, os riscos são os resíduos chegarem a níveis perigosos e afetar a composição química do nosso sangue, causando perda do equilíbrio e risco de vida”, aponta a especialista pela Sociedade Brasileira de Nefrologia.

Outra questão relacionada ao problema, é que a insuficiência renal pode se apresentar de duas formas: aguda e crônica. No primeiro caso, há perda súbita das funções renais. Já no segundo caso, ocorre uma perda progressiva da função renal, sendo assintomática na sua fase inicial e, na fase mais avançada, afeta todo o organismo. Se não tratadas, as duas formas da doença podem levar a morte do paciente.

A especialista ainda alerta para os sintomas. N insuficiência renal aguda, os sinais e sintomas são súbitos, enquanto na doença renal crônica, os sintomas se desenvolvem lentamente e, inicialmente, podem não ser específicos, mas é comum o paciente perceber diminuição da produção de urina, retenção de líquidos, inchaço nas pernas, tornozelos e pés, sonolência, inapetência, falta de ar, anemia, fadiga, náuseas e vômitos e confusão mental.

Além disso, a nefrologista afirma que o melhor tratamento é a prevenção, já que nos casos de insuficiência renal crônica a doença não tem cura e o tratamento deve ser feito por meio de hemodiálise ou transplante de rins. Q prevenção passa por diminuir o consumo de sal nos alimentos, bom controle da pressão e controle da glicemia, manter o peso adequado, evitar tabagismo e estilismo, evitar uso abusivo de antiflamatórios, além de manter-se bem hidratado e praticar exercícios físicos com regularidade. Conclui Ângela Santos.