Hospital Jayme da Fonte

Central telefônica (81) 3416-0000 / 3125-8810 Marcação de Consultas & Exames (81) 3416-0075
(seg. à sex, das 07h às 19h e sáb. das 08h às 14h)
Chegamos aos
1022
transplantes de
fígado
Data publicação: 22/03/21 | Fonte: Folha de Pernambuco | Vida Plena

Para adultos e idosos desfrutarem com saúde

Desenvolver hábitos alimentares que promovam melhorar qualidade de vida nesta fase é fundamental. Saiba qual o cardápio adequado

Os benefícios de uma boa alimentação vão além do aspecto físico, principalmente para adultos e idosos, grupos que serão abordados no Vida Plena desta semana em continuidade ao cardápio ideal de cada faixa etária. Em ambos os casos, há alimentos que devem ser consumidos com mais freqüência, por conter os nutrientes necessários para suprir as carências do corpo nessa fases.

De acordo com a nutricionista do Hospital Jayme da Fonte Lais Manga, a nutrição, sobretudo na fase adulta e na terceira idade, é fundamental para manter a saúde em dia, melhorando a qualidade de vida e proporcionando o bem-estar. "Adultos e idosos devem desenvolver hábitos alimentares que promovam a prevenção de doenças e morbidades", afirmou. Além de garantir a saúde, um planejamento alimentar ainda reflete no corpo".
Ainda conforme a nutricionista, a fase adulta herda muitos hábitos da adolescência, então se uma pessoa costumava comer bem, de forma saudável, ela só precisa manter isso. "A fase adulta é regada por uma rotina corrida e costuma ser movida pela praticidade. Apesar disso, é imprescindíveis evitar o consumo de alimentos processados e ultraprocessados. Os alimentos in natura devem ser privilegiados sempre.devem ser privilegiados sempre. Além disso, nessa fase também o nível de estresse costuma ser maior, e uma alimentação equilibrada ajuda a melhorar os efeitos que isso pode trazer. A dica é variar entre o consumo de frutas, castanhas, leites e derivados, frango, peixe, tubérculos, leguminosas, filhas e legumes".

A aposentada Cacilda Lima, 73 conta que nunca teve problemas para comer nada e sempre foi "boa de boca", como  costuma falar, mas, com o avançar da idade, precisou diminuir a freqüência de alguns alimentos por conta da diabetes e da hipertensão. "Sempre comi de tudo, inclusive frutas e verduras, mas eu preferia comer doces e frituras. Até a minha carne eu prefiro assada", relatou. No entanto, ao chegar na terceira idade, precisou mudar. "Comida para mim sempre foi bem temperada, mas a recomendação é diminuir o sal, então tenho comido coisas mais leves, mais fáceis de digerir. Até as carnes eu tenho optado pelas mais magras e tenho comido grelhada".
Apesar de existirem alguns alimentos que costumam ser indicados com freqüência para idosos, estes devem ficar atentos a algumas condições específicas impostas pelo próprio corpo e que variam de pessoas para pessoa. O geriatra Alexandre Mattos explica que diferente de outras faixas etárias, a terceira idade costuma ser heterogênea.

"Por conta das doenças crônicas, idosos precisam de uma alimentação específica e, as vezes, até mais restritiva. De modo geral, é indicado o consumo de fibras, por conta da constipação, que se torna mais comum nessa fase , e também por que há estudos que apontam que as fibras são capazes de prevenir o surgimento de câncer", esclareceu. Contudo, de acordo com Mattos, há nutrientes que não podem faltar para os idosos. "Omega 3 é algo que deve ser bem presente no cardápio do idos, e o ideal é que seja consumida dos alimentos, com atum e sardinha, que não devem ser substituídos pelas cápsulas  do nutriente. Além de ter capacidade anti-inflamatória, a ômega 3 é muito importante para o sistema imunológico".

Nessa fase, a nutricionista  Lais Manga chama a atenção para o cálcio, ferro, zinco e magnésio. "Idosos têm necessidades energéticas diferentes e são acometidos pela sarcopenia, que é a perda considerável de massa magra. O consumo de folhosos verdes escuros, limão  derivados do leite, cereais, ovos, batata doce, mamão, acerola, morango, peixe e demais proteínas Judá  muito nisso".