Hospital Jayme da Fonte

Central telefônica (81) 3416-0000 / 3125-8810 Marcação de Consultas & Exames (81) 3416-0075
(seg. à sex, das 07h às 19h e sáb. das 08h às 14h)
Chegamos aos
1022
transplantes de
fígado
Data publicação: 05/04/21 | Fonte: Folha de Pernambuco | Vida Plena

Bastam corpo e vontade de se mexer

Durante o período de quarentena mais rígida em Pernambuco, as academias de ginástica são uns dos estabelecimentos que costumam fechar. Mesmo com a liberação para o seu funcionamento, algumas pessoas ainda não se sentem completamente seguras para frequentá-las, por isso, para não perder o pique, nem o ritmo, personal trainers e alunos tem utilizado cada vez mais os meios digitais para continuarem se movimentando.

Para a educadora física e pós-graduada em Fisiologia do Exercício, Bruna Borges, aplicativos e consultorias on-line facilitam muito a vida de quem quer treinar. “A grande maioria dos aplicativos tem instrução de treinos e metas, o que serve de estímulo para alunos. Movimentar-se, realizar exercícios físicos, é importante em todas as fases da vida, e não precisamos de uma academia para isso. Basta apenas o nosso corpo e a nossa vontade de se mexer”.

A personal trainer Amanda Rodrigues, que é especialista em Fisiologia do Exercício Físico aplicado a doenças crônicas não transmissíveis, recomenda aplicativos que possibilitem encontrar profissionais habilitados para orientá-los e prescrever treinos.

“É fundamental que o aluno tenha em mente a importância de estar em contato com uma pessoa que tenha formação em Educação Física. A ferramenta pode ajudar com uma consultoria virtual ou até mesmo com um agendamento para uma mentoria presencial”, explica Amanda. “Os aplicativos têm banco com inúmeras opções de exercícios, que podem ser realizados em casa, praças e até mesmo nas academias, com ou sem equipamentos. Por isso é importante que essa ferramenta coloque o aluno em contato direto com o personal”, emendou.

Embora a servidora pública Celeste Bezerra não se sinta 100% segura para retornar à academia, ela optou por ir em horários alternativos, mas durante o tempo que o local estava fechado, ela não parou de se movimentar. “A prática de exercícios físicos para mim vai além da saúde e é também uma questão de autoestima. Sem poder ir à academia, mantive minha rotina de exercícios físicos em casa, através de aplicativos de treino”, contou Celeste, que acertou com um personal para ter um treino individual.

Precauções

O ortopedista Luz Marco, do Hospital Jayme da Fonte, salienta que os exercícios devem ser individualizados e seguindo de acompanhamento de um educador físico. O objetivo é monitorar a execução correta dos movimentos, além da intensidade. “O exercício mal executado pode levar a inúmeros problemas que vão desde dor por sobrecarga dos músculos, dos tendões e das articulações, até lesões, algumas de caráter irreversível e que podem necessitar de tratamento cirúrgico”. Alertou.