Hospital Jayme da Fonte

Central telefônica (81) 3416-0000 / 3125-8810 Marcação de Consultas & Exames (81) 3416-0075
(seg. à sex, das 07h às 19h e sáb. das 08h às 14h)
Chegamos aos
1022
transplantes de
fígado
Data publicação: 05/05/21 | Fonte: Portal Pínzon

"Mortalidade por COVID-19 é maior em pacientes com obesidade", alerta cirurgião bariátrico Sérvio Fidney

Especialista reforça cuidados e alerta sobre os riscos da contaminação pelo coronavirus

A obesidade está enquadrada no fator que favorece a progressão rápida da Covid-19, independente de sexo, etnia ou idade. De acordo co o cirurgião bariátrico Sérvio Fidney, chefe do serviço de Cirurgia Geral e Bariátrica do Hospital  Agamenon Magalhães e cirurgião da equipe do Real Hospital Português e do Hospital Jayme da Fonte, a presença de comorbidades, como hipertensão e diabetes, aumenta os riscos de desenvolvimento de forma grave da covid-19 e essas cormobidades possuem uma íntima relação com a obesidade. “O paciente portador de obesidade já é um paciente inflamado, que respira mal e possui um maior risco de tromboses. A Covid-19 é caracterizada pela elevada inflamação pulmonar que pode ser potencializada pela obesidade”, alerta o cirurgião.

Com base no relatório da Federação mundial de Obesidade, “Covid-19 e a obesidade: O Atlas 2021”, a taxa de mortalidade causada pelo coronavírus, é aproximadamente 10 vezes maior em países onde metade ou mais da população está acima do peso. “Não há dúvidas sobre o pior desfecho quando o paciente portador de Covid-19 também é portador de obesidade. Estudos europeus mostram que aproximadamente 50% dos pacientes internados por COVID-19 são obesos”, revela o cirurgião Sérvio Fidney.

“Outro fator importante é a dificuldade de respiração dos obesos, devido ao aumento da pressão intra-abdominal, os movimentos respiratórios ocorrem com maior dificuldade precisando de maior esforço. A fisioterapia respiratória precisa ser mais intensa e se houver necessidade de intubação, o ventilador pulmonar precisa ser adequado para o esforço”, pontua o cirurgião.

A estimativa, de acordo com o Plano Nacional de Operacionalização da Vacina contra a Covid-19, do Ministério da Saúde, é que sejam necessárias pelo menos 104,2 milhões de doses de vacina para imunizar o grupo prioritário no Brasil. Dentre o grupo prioritário está a obesidade com o índice de massa corpórea (IMC) maior ou igual a 40. Enquanto a vacina não chega, é necessário estar atento e tomar precauções para evitar o contágio. Caso ocorra a necessidade de sair de casa, é preciso estar atendo aos cuidados recomendados, como o uso de máscara, evitar contato nos olhos e na boca, utilização de álcool para higienização das mãos, entre outros, que contribuirão para a contaminação. “porem serem grupo de risco, precisam de maior atenção do uso de máscara e nas medidas de distanciamento social. É Necessário reduzir a exposição ao vírus até termos a vacinação completa disponível”. alerta