Hospital Jayme da Fonte

Central telefônica (81) 3416-0000 / 3125-8810 Marcação de Consultas & Exames (81) 3416-0075
(seg. à sex, das 07h às 19h e sáb. das 08h às 14h)
Chegamos aos
1026
transplantes de
fígado
Data publicação: 20/12/21 | Fonte: Folha de Pernambuco | Vida Plena

Verão pede mais hidratação

Exposição ao sol faz o corpo transpirar mais. Saiba como repor a água e não ficar desidratado.

Marjourie Corrêa

O verão é uma estação desejada por muita gente. Época de calor, praia, descanso, férias... Mas as elevadas temperaturas e a demasiada exposição ao sol ajudam a desidratar o corpo, e a falta de reposição de líquidos pode provocar alguns incômodos.

Um dos problemas que se tornam mais comuns nessa época do ano são as cólicas renais. Segundo dados levantados pela Sociedade Brasileira de urologia (SBU), a incidência delas aumenta cerca de 30% no verão. De acordo com o nefrologista do Hospital Jayme da Fonte Mário Henrique, o nosso corpo costuma transpirar mais, eliminando mais líquido, o que aumenta a necessidade de reforça a hidratação. “As cólicas renais representam a movimentação de um cálculo saindo do rim e sendo expelido pelo ureter”, explica. “Esses cálculos renais, também conhecido como pedra nos rins, são formações endurecidas que se formam nos rins ou nas vias urinárias, resultantes do acúmulo de cristais existentes naurina”, acrescentou o nefrologista.

Dor e outros sintomas

Geralmente, essa dor é localizada na região lombar, abaixo do pulmão, e pode se irradiar para região do abdômen anterior, podendo chegar até ao testículo do homem. Segundo o urologista Rodrigo Brasileiro, as dores são muito intensas e costumam ser acompanhadas de outros sintomas. “Por estímulo do nervo celíaco, que é comum ao estômago e ao sistema urinário, as cólicas renais podem provocar vômitos e náuseas”, comentou. Ele ainda pontua que a gravidade da cólica é mais por conta da dor, que é muito forte, do que por algum problema maior, mas ressalta que é importante identificar a causa para prosseguir com o tratamento. “Os episódios de dor precisam ser tratados para poupar o paciente do sofrimento, mas sem risco de evoluir para algo maior de forma repentina. Contudo, se a causa não for identificada, o problema pode evoluir, gerando a perda progressiva do rim, uma infecção mais grave, entre outros problemas”, alertou o urologista.

Manter o hábito é fundamental

Bem melhor que o tratamento para esse problema, é evitar esses incômodos. Por isso, alguns hábitos são fundamentais, conforme elenca o nefrologista Mario Henrique. “Além da água, a pessoa pode se hidratar com chás de coco, isotônicos e principalmente sucos cítricos, pois eles, além de repor o líquido perdido, contém uma substância chamada ‘citrato’, que evita a formação de cálcio na urina”, recomenda Mario. E a alimentação também deve ser adaptada. “É importante diminuir a quantidade de sódio e evitar o consumo excessivo de carne vermelha, que é rica em ácido úrico, uma das causas do cálculo renal”, justificou o nefrologista.

Já para o tratamento, há algumas opções disponíveis, como medicamentos, cirurgias. Cada medicação, assim como a indicação cirúrgica, é individualizada e depende das causas e da gravidade.