Hospital Jayme da Fonte

Central telefônica (81) 3416-0000 / 3125-8810 Marcação de Consultas & Exames (81) 3416-0075
(seg. à sex, das 07h às 19h e sáb. das 08h às 14h)
Chegamos aos
1026
transplantes de
fígado
Data publicação: 02/05/22 | Fonte: Folha de Pernambuco | Vida Plena

Livre-se das dores no corpo

Eacute; por meio das dores que acometem os músculos, os ossos, as juntas e as articulações, chamadas de does musculoesqueléticas, que o indivíduo descobre que pode sofrer com alguma doença reumática. O problema, que afeta o sistema locomotor, pode ter causas diversas e várias possibilidades de intervenção médica.

De acordo com a reumatologista Aline Ranzolin, do Hospital Jayme da Fonte, dentre as doenças reumáticas mais comuns, estão a artrose, a fibromialgia, a artrite reumatoide mais comuns, estão a artrose reumatoide e as lombalgias. “Essas enfermidades se manifestem por meio das dores musculoesqueléticas, então é preciso analisar bem como é a dor para traçar um diagnóstico”, explicou Ranzilin.

“Se a dor persiste e ela não é fruto de nenhuma pancada, trauma ou fratura, o paciente deve atentar para algumas características, como a duração; a localização; a forma de manifestação, se é localizada ou difusa; e o ritmo, se piora ou evolui com repouso ou movimento”, completou Aline.

Diagnóstico precoce

Antes de iniciar qualquer tratamento, é preciso traçar um diagnóstico. A avaliação do paciente costuma direcionar bem o reumatologista a respeito de qual intervenção será utilizada. Contudo, quanto antes o diagnóstico for fechado, melhor para o paciente.

Para Tamires Guimarães Costa, reumatologista do Hospital Jayme da Fonte, o tratamento é fundamental para que o paciente passe a ter mais qualidade de vida, já que dor tira isso dele. “Quanto mais tempo um paciente demora para receber o tratamento, maior é a possibilidade de esses distúrbios osteomusculares provocarem uma limitação permanente ou de as dores levarem mais tempo para amenizarem”, alertou Tamires.

Hábitos que previnem

A intervenção costuma ser medicamentosa. A priori, para amenizar as crises mais intensas, e posteriormente para tratar inflamações. “A medicação varia, pois é específica para cada doença”, pontua Aline Ranzolin. Ainda conforme a reumatologista, o paciente pode evitar o surgimento ou a volta dessas dores com hábitos de vida saudáveis. “A prática de atividade física, com acompanhamento e em muitos casos específicas para evitar o agravamento de dores, uma alimentação equilibrada e que beneficie a saúde e uma rotina de sono reparador são três itens indisponíveis para quem quer se ver longe ou livre das dores”, finalizou Aline.