Hospital Jayme da Fonte

Central telefônica (81) 3416-0000 / 3125-8810 Marcação de Consultas & Exames (81) 3416-0075 / 3125-8850
(seg. à sex, das 07h às 19h e sáb. das 08h às 14h)
Chegamos aos
1026
transplantes de
fígado
Data publicação: 14/07/22 | Fonte: Diario de Pernambuco | Estúdio DP

Números de casos de herpes-zóster aumentam na pandemia da Covid-19

O cantor Justin Bieber anunciou o diagnóstico e chamou atenção sobre a doença

Marina Costa – Estúdio DP

No último mês, o astro do pop Justin Bieber cancelou shows da The Justice World Tour no Estados Unidos e na Europa após o diagnóstico da Síndrome de Ramsay Hunt. O cantor canadense, em vídeo, aparece com parte do rosto paralisado. A doença é uma apresentação incomum da Herpes-Zóster, uma infecção que afeta a pele, nervos facial e da audição. No Brasil, a Herpes-Zóster não é tão conhecida pela população, porém, em 2021, um estudo da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), mostrou que o número de casos aumentou 35% durante a pandemia da Covid-19.

A Síndrome de Ramsay Hunt e herpes-zóster ocorrem como consequência da reativação do vírus Varicela-Zóster, também causador da catapora, que acontece geralmente na infância e é altamente contagiosa. Os pacientes com catapora apresentam lesões cutâneas, pequenas bolhas, pápulas e crostas, além de febre, mal-estar e dores no corpo. Após a resolução do quadro médico, o vírus permanece no gânglio nervoso do paciente.

“O Varicela-Zóster permanece adormecido por toda a vida e pode ser reativado, causando o Herpes-Zóster, por qualquer condição que enfraqueça a imunidade, como o uso de medicações imunossupressoras, diabetes, câncer, HIV e estresse”, explicou a dermatologista Mariana Mota. Idosos e adultos com deficiências imunológicas são os mais afetados pela Herpes-Zóster. Os sintomas da Síndrome de Ramsay Hunt são paralisia facial com assimetria do rosto, vesículas e dor de ouvido.

A pesquisa realizada pela UNIMONTES detectou que antes da Covid-19, o Brasil havia cerca de 30 casos a cada um milhão de habitantes. Durante a pandemia, o número aumentou para mais de 40 casos por um milhão de habitantes. Segundo Mariana Mota, o estudo mostrou a possibilidade da relação da desregulação do sistema imunológico provocado pelo coronavírus, além do estresse da pandemia, com o aumento da ativação do vírus Varicela-Zóster, que já se aproveita de pacientes imunossuprimidos em situações comuns, causando a Herpes-Zóster.

O diagnóstico é clínico e realizado através da história do paciente e exame físico, com análise das lesões e dos sinais neurológicos, por especialistas, como dermatologistas, infectologistas e neurologistas. O tratamento é realizado através do uso de medicamente específicos, como antivirais, para aliviar os sintomas e promover a cicatrização mais rápida das feridas. “Se o tratamento for instituído precocemente, a recuperação costuma ser total. Porém, também podem existir sequelas temporárias ou até mesmo permanentes”, contou a dermatologista. Em alguns quadros, após a resolução das lesões, o paciente pode permanecer com dor, com a chamada neuralgia pós-herpética, que pode durar de semanas até meses.

Apesar de ser contagiosa, a enfermidade pode ser prevenida através da vacinação contra a catapora na infância. Para adultos que sofreram com a varicela quando crianças e podem desenvolver a Herpes-Zóster, além de pessoas que são fatores de risco para a doença e pacientes com mais de 50 anos, a vacina contra a doença é indicada e está disponível na rede privada de saúde.

Para uma avaliação clínica completa e melhor forma de tratamento da Síndrome de Ramsay Hunt ou Herpes-Zóster, o paciente deve procurar centros médicos que são referência em atendimento dermatológico, como o Hospital Jayme da Fonte, que possui médicos especializados da área.