Hospital Jayme da Fonte

Central telefônica (81) 3416-0000 / 3125-8810 Marcação de Consultas & Exames (81) 3416-0075
Chegamos aos
942
transplantes de
fígado
Data publicação: 18/02/18 | Fonte: Jornal do Commercio | Casa Saudável

Aberta a temporada do bloco das viroses

A combinação de multidão, calor e privação de sono abre portas para doenças O Carnaval é sempre uma época propícia para o ataque de alguns vírus e outros micro-organismos à saúde. A combinação de multidão, calor e comidas na rua abre portas para o adoecimento e consequentemente as urgências dos hospitais começam a atender, no período pós-folia, um universo de pessoas que se queixam de dores no corpo, náusea, diarreia, febre, problemas respiratórios e conjuntivite. São condições clássicas de viroses, que englobam quadros clínicos associados a infecções causada por vírus. “No Carnaval, as pessoas brincam sob o sol, passam muito tempo sem se alimentar adequadamente e ingerem bebida alcoólica. Isso baixa a imunidade, o que favorece o aparecimento de doenças”, explica a infectologista Andrezza de Vasconcelos, dos Hospitais Getúlio Vargas e Jayme da Fonte.

Em entrevista ao programa Casa Saudável, da TV JC, na última sexta-feira (16), a médica alertou ainda para os casos de herpes labial após o reinado de Momo. Trata-se de uma infecção viral cujos sintomas (feridas ou bolhas) aparecem próximos à borda dos lábios. “É uma festa em que as pessoas se beijam bastante, e isso aumenta o risco de transmissão do vírus. Em alguns casos, é possível ter o vírus ‘guardado’ no organismo e as lesões da herpes só se manifestarem quando há queda da defesa imunológica”, esclarece Andrezza de Vasconcelos.

A infectologista ainda tirou dúvidas dos internautas sobre a mononucleose, popularmente conhecida como doença do beijo. O período de Carnaval é propício ao aparecimento da doença, já que as más condições de higiene e a grande concentração de pessoas em espaços pequenos facilitam a dispersão do vírus, contraído por meio da saliva. “É mais frequente entre adolescentes e adultos jovens, que ficam mais próximos uns dos outros durante as festas. Isso facilita a transmissão pelas gotículas de saliva. É bom alertar que os sintomas aparecem duas semanas após a contaminação.” Como a folia acabou há poucos dias, quem se infectou ainda tem risco de apresentar os sintomas. Não existe um tratamento específico para as viroses em geral, o recomendado pelos médicos é combater o mal-estar. “Repouso e hidratação são sempre essenciais. Na maioria dos casos, antitérmicos e analgésicos são prescritos. Só não vale exagerar nas doses nem recorrer à automedicação”, ressalta Andrezza de Vasconcelos.