Hospital Jayme da Fonte

Central telefônica (81) 3416-0000 / 3125-8810 Marcação de Consultas & Exames (81) 3416-0075
Chegamos aos
949
transplantes de
fígado
Data publicação: 21/03/18 | Fonte: taisparanhos.blogspot.com.br

Páscoa, chocolate e saúde

Tradicionalmente, no período entre meses de março e abril, aumenta significativamente o consumo de peixes, vinhos, chocolate e aperitivos pascais, devido à simbologia da data. Trocar a carne vermelha pelo peixe é bastante saudável, porém com a grande procura por peixes antes e durante a Semana Santa, é preciso ficar atento para não acabar comprando peixes de má qualidade. “A escolha e o preparo dos peixes ou frutos do mar exigem cuidados essenciais para evitar o risco de intoxicação”, afirma a nutricionista Stella Bezerra, do Hospital Jayme da Fonte.

Na hora de escolher o pescado, é importante observar se as guelras estão limpas, vermelhas e brilhantes e se o corpo está firme e limpo, sem areia, plástico, moscas, etc. Peixes de água doce devem ter cheiro fresco e os de água salgada devem ter cheiro de mar. Os olhos também não devem estar opacos, secos ou murchos. Depois de comprados, também é fundamental ter o cuidado com o armazenamento e a preparação. A nutricionista ressalta ainda o aumento no consumo de vinho e peixe (preparado geralmente com leite de coco) durante o período da Semana Santa, que também podem contribuir para sobrecarregar o organismo quando consumidos em excesso.

Stella também lembra que o consumo de chocolate durante o período que antecede a Páscoa costuma, por vezes, sair do controle. Pesquisas já vêm mostrando que o produto pode, sim, fazer bem à saúde, uma vez que possui compostos capazes de promover a sensação de bem-estar, além de manter as células jovens e a pressão arterial controlada. O perigo está justamente no consumo excessivo. “Uma pessoa que não está acostumada a comer chocolate e faz a ingestão em grande quantidade em um curto prazo pode ter problemas do ponto de vista do aparelho digestivo”, afirma a nutricionista.

Para adultos e crianças, conforme explica a profissional, o consumo excessivo de chocolate pode gerar inconvenientes como diarreia, náuseas, má digestão e alergia alimentar. “Outro problema que as pessoas podem sentir envolve a vesícula biliar, em quem já tem problema de cálculo. Essas pedras podem migrar e causar uma colecistite (inflamação da vesícula biliar). Um exagero na dieta e em poucos dias isso pode acontecer”, revela a nutricionista. Em um prazo longo, porém, não devem existir muitas complicações – a exemplo de aumento do colesterol ou dos triglicérides. Somente se o consumo do produto se der de forma constante.

O recomendado, lembra Drª Stella, é comer um pouco de chocolate por vez. Ou seja, ao invés de consumir 100 ou 200 gramas por dia, dividir essa quantidade de chocolate ao longo da semana. E nem adianta correr para os produtos ditos diets, pois eles são preparados sem açúcar devido ao público diabético, mas possuem a maior quantidade de gordura dos chocolates comuns. Se for para escolher, o melhor é ficar com o chocolate amargo. Ele possui menor quantidade de carboidratos (açucares) em seu preparo – o que não deve resolver muito se também for consumido em excesso.

O segredo é manter os cuidados básicos é consumir tudo com moderação para aproveitar a festa da Paixão de maneira saudável.