Hospital Jayme da Fonte

Central telefônica (81) 3416-0000 / 3125-8810 Marcação de Consultas & Exames (81) 3416-0075
Chegamos aos
954
transplantes de
fígado
Data publicação: 17/06/18 | Fonte: www.folhape.com.br

São João "pegando leve", dá?

Nutricionista orienta sobre o consumo de quitutes juninos e sugere substituições de ingredientes calóricos

Diabéticos devem trocar açúcar por adoçante e leite normal por desnatado

Quem não gosta de milho, bom sujeito não é. A adaptação do verso de famoso samba é para enfatizar a importância do milho na mesa dos pernambucanos, principalmente nos festejos juninos. Como é lindo ver uma mesa coberta por travessas amarelas, agregando a família, com crianças e adultos trajando roupas xadrez e chapéu de palha!

A unanimidade da época fica por conta das receitas à base de milho: canjica, pamonha, bolo, munguzá, mais arroz doce, bolo pé de moleque e de macaxeira. A mesa de São João é a mais esperada do ano pelos nordestinos, sem dúvida alguma. Mas junto com ela, a extravagância vem a reboque. Ninguém deixa para depois o que se pode comer hoje - absolutamente tudo o que couber no estômago.

E aí, um probleminha. Vencidos pela gula, nós, além de comer em demasia, ainda temos que lidar com a questão calórica dos pratos. A maioria é carregado de açúcar e gordura - por isso são tão deliciosos, a propósito. E se para o guloso comum, que não padece de nenhuma questão metabólica, é recomendável ter comedimento, imagine diabéticos e intolerantes?

Segundo Karla Conolly, nutricionista do Hospital Jayme da Fonte, indivíduos com restrições precisam se controlar nos festejos da época, mas garante que é possível não sofrer com a retirada total dos acepipes açucarados - diz que há maneiras de deixar as receitas mais equilibradas.

Os diabéticos, por exemplo, devem preferir substituir o açúcar por adoçante, o leite integral pelo desnatado e não usar o leite coco, ou usar quantidades restrita na versão light. Segundo ela, o leite de coco dá um aporte exagerado de gordura saturada, que é de difícil digestão. “Caso você exagere, é passível de sentir mal estar, dor de barriga, além da desconfortável sensação de empacho” antecipa a especialista.

E os celíacos?

Quem tem intolerância à glúten, não vai ter problema algum quanto ao consumo da substância, já que a maioria das comidas juninas não levam farinha de trigo na composição. O cuidado desse público deve se voltar para o rótulo das misturas semi prontas de comida de milho. Em vigor desde 2003, a Lei 10.674 determina que todos os alimentos industrializados contenham no rótulo e bula, obrigatoriamente, as inscrições “Contém Glúten” ou “Não Contém Glúten”.

Outros cuidados

Por último, Karlla chama atenção para a conservação dos alimentos: “Não esquecer de observar a validade dos produtos e conservação dos alimentos juninos vendidos prontos.Todo alimento que leva leite de coco deve ser mantido em refrigeração”.

A profissional ainda alerta para o consumo de milho cozido ou assado que é vendido na rua: “o produto deve ser assado na hora, evitando consumir o produto exposto nas ruas por muito tempo; se for cozido, é importante observar se o líquido do caldeirão está fervendo”. Para arrematar o São João mais leve, Conolly ensina receita de São joão adaptada e mais leve, é só copiar!